AtendimentoSeg a Sex | 8h - 12h e 13h30 - 18h

Notícias

CDDH lança campanha de enfrentamento às violências

26-06-19 | CDDH, Crianças e Adolescentes, Direito Humanos | admin |
IMG_1767
IMG_1717
IMG_0925
IMG_0755
23
22
16
17
18
19
20
21
15
14
13
12
11
10
04
05
06
07
08
09
01
02
03
0001 (7)

 

O Centro de Defesa de Direitos Humanos CDDH, parceria entre o Proame Cedeca e o COL – Círculo Operário Leopoldense, Organizações da Sociedade Civil de São Leopoldo, lançou no dia 04 de julho, no Auditório Central da Unisinos, campanha pelo enfrentamento às violências contra crianças e adolescentes. Veja aqui o vídeo da campanha.

A campanha faz parte das ações do projeto Articulando Redes de Proteção, apoiado pelo Criança Esperança, que tem abrangência de 16 municípios do RS:  Araricá, Campo Bom, Canoas, Dois Irmãos, Estância Velha, Esteio, Ivoti, Nova Hartz, Nova Santa Rita, Novo Hamburgo, Portão, Presidente Lucena, Sapiranga, São Leopoldo, Sapucaia do Sul e São Jerônimo.

“Os municípios estão assumindo um grande pacto pela defesa dos direitos das crianças e dos/as adolescentes e serão grandes parceiros na divulgação e mobilização da campanha que trata de um tema bastante delicado e de extrema importância”, diz Márcia Martins, coordenadora do projeto.

A campanha visa duas frentes de combate. O primeiro ponto é a discussão da proteção. A outra frente incentiva o ato de denunciar, já que existe um elevado índice de subnotificação, não só no RS, mas também em todo o Brasil. Isso é mais um motivo para que movimento de incentivo a denúncia.

Saiba mais:

O projeto Centro de Defesa de Direitos Humanos: Articulando Redes de Proteção tem o apoio do Criança Esperança. Além das ações envolvendo a campanha pelo enfrentamento às violências contra crianças e adolescentes, outras atividades ocorrem nos municípios parceiros, como momentos de formação com as redes de proteção,  com temas que abordem a garantia e defesa de direitos de crianças e adolescentes.

Em São Leopoldo, também estão sendo realizadas atividades com grupos que envolvem 130 adolescentes divididos entre nas três regiões de maior vulnerabilidade, com o objetivo de potencializar a protagonismo infanto-juvenil.